Breve história do Alpinismo

Com o crescente interesse pelas atividades ao ar livre, o Alpinismo vem ganhando cada vez mais popularidade no Brasil, onde recebe também a denominação de Montanhismo. Existe uma diferença entre esses dois conceitos. “Montanhismo” seria a prática de qualquer atividade em região montanhosa, como caminhadas e acampamentos, porém sem a necessidade de grandes esforços e equipamentos específicos. Já o “Alpinismo” se refere ao ato de escalar uma montanha, usando para isso equipamentos e conhecimentos técnicos.

O Alpinismo não se limita apenas aos Alpes, mesmo assim se utiliza alguns regionalismos como "pirineismo", "andinismo" e "himalaismo". No Brasil, por não haver um terreno realmente alpino, com a presença de neve, o termo que mais se difundiu foi “Montanhismo”, sendo “Montanhista” a pessoa que pratica qualquer tipo de atividade na montanha, e “Escalador” aquele que recorre a equipamentos técnicos para escalar em rocha.

A história do Alpinismo se perde na antigüidade, entre tribos primitivas que adoravam as montanhas como refúgio dos deuses, exércitos que cruzavam cordilheiras em busca de liberdade e poder, poetas e monges que procuravam inspiração entre os picos mais escarpados. A maioria dos resultados destas primeiras experiências foram relatos assustadores, onde o homem se impressionava por fenômenos naturais ainda desconhecidos, aos quais se atribuía uma origem misteriosa, divina, ou até infernal.

A curiosidade humana foi se aguçando em relação às montanhas até os idos do século XVIII. O surgimento do iluminismo levou o homem ao desejo de conhecer melhor a si mesmo e ao mundo que o rodeava. Os mares do mundo já haviam sido percorridos, as terras descobertas, mas as grandes cadeias de montanhas estavam praticamente inexploradas. Assim sendo, a conquista das montanhas representava uma forma de se realizar novas experiências e alcançar uma verdade que, até então, parecia ter querido se ocultar do homem.

Este desafio foi aceito por Horace Saussure, naturalista, físico e professor de Filosofia na Universidade de Genebra. Uma montanha constituía para ele uma verdadeira obsessão: o Mont Blanc, de 4.807m de altitude, ponto culminante dos Alpes Europeus, encravado entre a França e a Itália. Saussure imaginava que, se chegasse a escalar este pico, poderia realizar inúmeras experiências científicas. Seguiu então em 1760 para o vale de Chamonix, que se estende no lado francês do Mont Blanc, oferecendo uma grande soma em dinheiro para aqueles que o ajudassem. Foram inúmeras tentativas para, somente após 26 anos, Saussure ter o seu grande sonho realizado. A escalada do Mont Blanc aconteceu no dia 8 de agosto de 1786 pelo médico Michel-Gabriel Paccard e pelo pesquisador de diamantes Jacques Balmat. Um ano depois o próprio Saussure logrou chegar ao cume do Mont Blanc, guiado por Jacques Balmat e acompanhado por 17 homens. Tal número de acompanhantes era necessário devido à grande quantidade de equipamentos científicos, com os quais se realizaram experiências durante as quatro horas e meia que permaneceram no cume.

Embora o marco inicial do alpinismo realmente tenha sido a escalada do Mont Blanc, outra montanha desempenhou um papel fundamental para que ele se afirmasse como esporte, trata-se do Matterhorn, como é chamado na Suíça, ou Cervino, como é chamado na Itália. Seus 4.478m acham-se espremidos entre estes dois países e foram vencidos pela primeira vez em 1865 pelo inglês Edward Wimper, culminando a idade do ouro do alpinismo. Nesta época os ingleses revolucionaram as técnicas usadas anteriormente, buscando as encostas mais empinadas e superando obstáculos que jamais haviam sido enfrentados.

Após a escalada das maiores montanhas dos Alpes Europeus, o homem partiu para as desconhecidas montanhas dos outros continentes. Assim, em 1889, era escalado o Kilimanjaro, na África, em 1897 o Aconcágua, na América do Sul, em 1913 o McKinley, na América do Norte.

O ano de 1936 foi o próximo grande marco para o alpinismo mundial. Uma expedição britânico-americana conseguiu superar os 7.816m de altitude do Nanda Devi, a 25ª maior montanha do mundo, situada na Índia. Foi um êxito sem precedentes, não somente porque se tratava da mais alta montanha escalada até então, mas porque marcava o início das conquistas realizadas no Himalaia. O próximo feito histórico foi a escalada do Annapurna, em 1950, no Nepal, com 8.091m, o primeiro oito mil a ser vencido pelo homem (existem apenas 14 montanhas no mundo com mais de oito mil metros de altitude).

Coroando a época das conquistas, por fim, acontece a mais esperada de todas. No dia 29 de maio de 1953, após 32 anos de tentativas, o homem chega pela primeira vez aos 8.848m do Everest, o Topo do Mundo. Os heróis deste feito glorioso foram o neozelandês Edmund Hillary e o sherpa indiano Tenzing Norgay, participantes de uma expedição britânica.